Desenvolvido pelo MediaLab.UFRJ e pela Rede Latino-Americana de Estudos em Vigilância, Tecnologia e Sociedade – LAVITS, o projeto visa investigar e intervir criticamente sobre a crescente presença dos processos de vigilância e de controle nos espaços urbanos, informacionais e sociais, com o foco na conjuntura tecnológica, política e social contemporânea na América Latina, e no Brasil em particular a partir de uma perspectiva pós-colonial, feminista e situada no hemisfério Sul. Ainda que tais processos sejam um fenômeno global, suas inscrições locais comportam peculiaridades que, no caso do Brasil e da América Latina, envolvem regimes de (in)visibilidade com práticas de vigilância e controle que são historicamente atreladas a estruturas coloniais, estatais e econômicas de produção de desigualdades, segregação ou mesmo extermínio de populações específicas, especialmente, indígena e negra, gerando espaços de desigualdade nas cidades latino-americanas. Tais regimes de (in)visibilidade articulam-se a arquiteturas de violência que tornam alguns mais suspeitos, mais perigosos, mais indesejáveis, mais matáveis que outros. Com o objetivo de geral de construção de abordagens, metodologias, práticas de pesquisa e ação social capazes de: i) compreender e enfrentar a reprodução de assimetrias históricas (especialmente as relacionadas à raça, gênero e classe no Brasil e na América Latina); ii) investigar os modos de atuação e de apropriação de plataformas, aplicativos e redes sociais digitais no Brasil (Whatsapp, Uber, Instagram, YouTube, Google, Facebook); iii) Desenvolver, compartilhar e testar uma agenda conceitual e metodológica para a pesquisa e a ação social voltada para as tecnologias de vigilância e controle no Brasil e na América Latina, desde uma perspectiva pós-colonial, feminista e situada no hemisfério Sul.

Deixar uma resposta